Machos ou masculinos? Um estudo sobre construções de masculinidades e produção de condutas violentas

Título: Machos ou masculinos? Um estudo sobre construções de masculinidades e produção de condutas violentas
Autor(es): M. d. A. R. Caridade, H. M. D. G. Raposo and A. P. L. F. Lopes
Ano: 2005
Periódico: Revista Brasileira de Sexualidade Humana
Volume: 16
Número: 1
Páginas: 113-122
Tipo de Artigo: Trabalhos de Congresso
ISSN: 0103-6122
Palavras-chave: ser homem; modelos culturais; subordinação; condutas violentas; being men; cultural models; subordination; violent behavior
Língua: Portuguese

Resumo: Este artigo baseia-se em uma pesquisa realizada na Universidade Católica de Pernambuco, em 2004, através do Programa Institucional de Base de Iniciação Científica, que teve como objetivos identificar relações entre modelos culturais de ser homem, a subordinação dos jovens a tais modelos e a produção de condutas violentas. Observou-se como modelos referenciais de masculinidade foram transmitidos socialmente ao longo de gerações, e que alterações foram propiciadas para a construção da subjetividade dos homens. Participaram desta pesquisa, 10 jovens, entre 20 e 30 anos. Trabalhou-se com Histórias de Vida, considerando-se que, através dessas narrativas, os sujeitos podem manifestar mais claramente os códigos, esquemas, e modelos que contribuíram para a construção de suas masculinidades. Na análise das narrativas buscamos identificar suas relações com os modelos culturais existentes. Os dados obtidos indicam que, para estes jovens, há satisfação com as construções da sua masculinidade, ficando clara porém uma insatisfação quanto aos modelos que subsidiaram estas construções. ;  This article is based on a research made by the Universidade Católica de Pernambuco  in 2004, through the Scientific Iniciation Institucional Program. The main objectives were to identify relations between cultural models of being man, the subordination of the young men to behavior. Such models and the production of violent behavior. It was observed how masculinity reference models were socially transmitted through generations and for the construction of men subjectivity. Ten young men, aging between 20 and 30 years old, took part in this research. Histories of life were studied, considering that, through these histories, the men can more clearly reveal the codes, schemes and models that contributed to the construction of their masculinity. Analyzing the histories we seeked to identify their relation to current cultural models. Data gathered indicate that these young men are satisfied with their masculinity construction, however, there is a clear lack of satisfaction with the models that enabled this construction.

Entrar