Dificuldades sexuais em homens portadores de HIV/AIDS

Título: Dificuldades sexuais em homens portadores de HIV/AIDS
Autor(es): C. M. M. Gaglia and M. G. d. M. Teixeira
Ano: 2009
Periódico: Revista Brasileira de Sexualidade Humana
Volume: 20
Número: 1
Páginas: 49-58
Tipo de Artigo: Trabalhos de Congresso
ISSN: 2236-0530
Palavras-chave: desejo; auto-eficacia sexual; homens heterossexuais; HIV/AIDS; desire; sexual self-efficacy; heterosexual men; HIV/AIDS.
Língua: Portuguese

Resumo: A AIDS hoje é uma doença crônica, pesquisas e atenção médicas têm se voltado a desenvolver políticas e tratamentos mais eficazes que permitam maior qualidade de vida aos portadores do vírus. Observamos no trabalho com mulheres soropositivas um discurso constante quanto à dificuldades sexuais em parceiros com diagnóstico de longa data, em tratamento com ARV ou não. Com amostra de 17 homens de orientação assumida heterossexual, portadores de HIV/AIDS atendidos pelo serviço público especializado de saúde em São Paulo, SP, diagnosticados no mínimo há seis meses. Observamos o sentimento de auto-eficácia e grau de desejo sexual diádico e solitário. A amostra não apresentava queixa clinica de disfunções sexuais, observamos que as médias obtidas nos instrumentos aplicados se comparadas as médias obtidas por população clinica com queixas sexuais são muito próximas, sugerindo a presença de disfunções sexuais. Ainda hoje pouco tem se dado à escuta e tratamento das mesmas. ; Today, AIDS is a chronic illness. Studies and the Medical Society have developed politics and more efficient treatments with the intention of providing a better quality of life to the virus carriers. We notice from the work done with the women seropositive a constant complaint about the sexual difficulties in partners who are long-term diagnosed, even with ARV treatment or not. From a sample of 17 heterosexual men (HIV/AIDS carriers), who have been diagnosed for at least 6 months and attended the specialized public health system in Sao Paulo, SP, we noticed a feeling of self-efficacy and a level of diadic and solitary sexual desire. The sample didn't show clinic complaints about sexual dysfunction. When compared, the average between the samples used and the clinic population with sexual complaints, are very similar, both suggesting the presence of sexual dysfunction. Even today, hardly anything has been done to listening and dealing with them.

Entrar